Percepção ambiental dos moradores ribeirinhos ao longo do Rio Grande

O projeto Peixes de Água Doce desenvolve uma pesquisa para conhecer melhor a percepção ambiental da população ribeirinha em relação ao Rio Grande e seus peixes. Para isso, pesquisadores estão coletando dados através da aplicação de questionários com os ribeirinhos ao longo deste rio em Minas Gerais. Até o momento, foram realizadas 51 entrevistas na nascente, 50 no alto e 72 no médio Rio Grande. Os resultados preliminares desta pesquisa estão revelando informações importantes que podem ser utilizadas para subsidiar a conservação dos recursos naturais deste rio.

Aplicação de questionários com moradores ribeirinhos
Aplicação de questionários com moradores ribeirinhos

Apesar de morarem até no máximo 1 km de distância do rio, a maior parte dos entrevistados, em todas as regiões, afirmou que não utiliza o rio para pescar. Dentre os que utilizam, a maioria usa a pesca como atividade recreativa. O alto Rio Grande foi a região que apresentou mais ribeirinhos que costumam pescar no rio, especialmente a jusante da Usina Hidrelétrica do Funil. Esta região também apresentou a maior frequência de pesca, com grande parte dos moradores realizando esta atividade mais de uma vez por semana.

Pescadores amadores no alto Rio Grande a jusante da UHE Funil
Pescadores amadores no alto Rio Grande a jusante da UHE Funil

A maioria das pessoas entrevistadas, em todas as regiões, relatou que não depende do Rio Grande para sua subsistência. Entre os que dependem, muitos justificam esta afirmativa pelo fato de utilizarem o rio para abastecimento de água. Principalmente no alto e no médio Rio Grande, os ribeirinhos costumam utilizar o rio para exercer atividades de lazer como nadar, pescar e passear.

Morador ribeirinho no médio Rio Grande Morador ribeirinho no médio Rio Grande

Em todas as regiões, a grande maioria dos entrevistados afirmou que observa impactos antrópicos sobre o Rio Grande e seus peixes. O impacto mais comum na região da nascente é o despejo de lixo e esgoto sem tratamento no rio. Nas demais regiões, além do despejo de lixo e esgoto, os moradores indicaram também os impactos provenientes do assoreamento e das barragens de usinas hidrelétricas ao longo do rio. De acordo com as entrevistas, a maioria das pessoas considera que, caso estes impactos continuem ocorrendo, o rio e os peixes irão acabar.

Despejo in natura de esgoto doméstico próximo a nascente do Rio Grande
Despejo in natura de esgoto doméstico próximo a nascente do Rio Grande

Todos os ribeirinhos entrevistados consideram fundamental preservar o Rio Grande, pois segundo eles, é importante preservar o meio ambiente em que vivem para que sejam mantidos os recursos naturais, como a água e o peixe, e consequentemente, a sobrevivência da população. Na região da nascente, muitos moradores sugeriram o tratamento do esgoto, atividades de educação ambiental para conscientização da população e fiscalização da pesca como medidas para preservação do rio e dos peixes. Nas demais regiões, além dessas medidas citadas, moradores também sugeriram a diminuição do número de usinas hidrelétricas implantadas no Rio Grande.

Rio Grande em Ribeirão Vermelho
Rio Grande em Ribeirão Vermelho

Os resultados preliminares da pesquisa realizada com os moradores ribeirinhos do Rio Grande mostram que a maior parte dos entrevistados tem consciência da importância do rio e dos peixes e também de sua preservação. Os resultados também mostraram que os ribeirinhos percebem os impactos negativos que atingem o rio, e que estes impactos aumentam ao longo de seu curso.

Rio Grande em São José da Barra (Furnas)
Rio Grande em São José da Barra (Furnas)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *